Paróquia N.S.R. Fátima
Paróquia
Nossa Senhora do Rosário de Fátima
Presidente Prudente - SP
» Dia do Padre
“Sou padre! Deixei de pertencer a mim mesmo”
Num certo dia, numa solene celebração Eucarística, realizou-se a belíssima cerimônia de Ordenação, na qual, pela imposição das mãos do bispo diocesano, tornei-me sacerdote da Igreja Católica. Parente, amigos, irmãos de caminhada estavam presentes testemunhando tudo o que acontecia. Igualei-me em dignidade aos outros padres que participavam do sagrado ritual.
Fui ungido nesse dia inesquecível para ser pastor de almas, profeta do Altíssimo, pai espiritual e guia do povo, conselheiro de uma comunidade, pescador de corações, filho de todos os pais e mães, pai de todas as mães e pais.
Ungido fui, para ungir outros mais e conduzi-los ao Caminho, Verdade e Vida que me chamou a ser padre. Ungido para cumprir a santa vontade de Deus que até hoje não me disse os motivos pelos quais me escolheu. Eu que não possuo qualidades suficientes para ser padre, eu que nem sou digno de tamanha missão. Eu que só soube simplesmente dizer SIM. Pertenço a Deus. Tenho a vocação de ser tudo para todos, sem exceção alguma.

Deixei casa, pai e mãe, irmãos e amizades. Larguei um barco na beira da praia com todos os bens que possuía, poderia muito bem ter dito não, mas, ousei responder sim de uma vez por todas. E agora a vida que vivo já não tem mais espaço para o singular, agora é plural.
Fui chamado a cuidar e conduzir ao céu homens e mulheres de todos os jeitos, temperamentos e costumes, de todas as origens e familiares. Gente pobre, rica, culta, iletrada, forte, fraca, feia, bela, educada, ignorante, serena, perturbadora, santa, pecadora, bondosas, cruéis, fiéis, traidoras, dignas, indignas... Seres humanos como eu, enfim, simples e valiosos seres humanos a quem Deus abriu as portas da eternidade por meio de Jesus Cristo seu Filho pelo Espírito Santo.
Fui chamado da multidão, eu antes tão anônimo, para servir a multidão, eu agora tão público.
Na Igreja tenho uma outra grande missão, é a mais delicada e complexa do mundo, penso que é celebrar o mistério da Eucaristia, a atualização do sacrifício de Jesus sobre o altar. Mistério que não entendo, nem sei explicar. Segredos de um Deus que resolveu ficar na humildade exagerada de uma hóstia, simples pão sem fermento, consagrada por minhas mãos! Mistério divino para o qual fui ungido, algo que supera toda minha razão e sensibilidade tão humanas. Mistério santo no qual creio firmemente e que se tornou o grande centro e alimento infalível da minha vida.
Sem Ele, nada sou, Ele é o TUDO da minha vida.
Com o coração ansioso por alcançar a Vida Eterna prometida por Deus e fazer com que muitas almas alcancem-na também. Eu creio e espero. Amém!

Texto proclamado pelo Pe. Sérgio em ocasião de suas Bodas de Prata Sacerdotal (30/10/2012)
Dia do Padre
Paróquia Nossa Senhor do Rosário de Fátima - 2022